Com 17 títulos do Carnaval de Fortaleza, a escola de samba Unidos do Acaracuzinho não irá desfilar este ano na avenida Domingos Olímpio. O diretor da escola Pablo Henrique anunciou, em sua página no Facebook, a desistência da escola, em função de divergências com a Secretaria da Cultura de Fortaleza (SecultFor).

Segundo Pablo, a decisão de não desfilar foi tomada após a Associação Cultural das Entidades Carnavalescas do Estado do Ceará (Acecce), impedir a agremiação de disputar o título do Carnaval de Fortaleza. A informação, segundo Pablo, só chegou ao conhecimento da escola recentemente, prejudicando toda preparação para o Carnaval. “Ocorreram problemas na comunicação. A preparação foi grande: carros, samba, fantasias”.

Sediada em Maracanaú, a Unidos do Acaracuzinho venceu os cinco últimos carnavais de Fortaleza e foi vice nos dois anos anteriores. A escola seria a segunda a se apresentar no 13 de fevereiro, terça-feira de Carnaval. O enredo seria uma homenagem ao falecido fundador e ex-presidente da escola Raimundo Valdelírio.

A Secultfor confirmou a decisão de excluir da competição escolas que não são de Fortaleza. Segundo a gerente de célula de patrimônio imaterial da Secultfor, Graça Martins, a decisão foi uma forma de “dar estímulo às outras escolas”. Apesar de não poder disputar o título de campeã, em conversas, Graça convidou a escola da Região Metropolitana de Fortaleza a desfilar sem receber notas.

“Devido ao domínio da escola de Maracanaú, que foi várias vezes campeã, algumas escolas de Fortaleza desistiram de competir no Carnaval”, afirmou Graça. Ainda segundo ela, a Unidos do Acaracuzinho já recebe verbas da Prefeitura de Maracanaú, e que a concorrência da escola deixava a disputa desequilibrada, já que as agremiações da Capital não possuem o mesmo aporte de recursos.

EDITAL

Graça Martins explica que, pelo edital da Secultfor, a escola com o melhor projeto recebe R$ 32 mil e as demais R$ 22 mil. A gerente enfatiza que a Unidos do Acaracuzinho nunca recebeu esses valores por não ter sede em Fortaleza.

Fonte: O Povo Online

COMPARTILHAR